Skip to main content

Trem noturno de Bangkok a Chiang Mai – vale a pena?

Quando eu comecei a pesquisar sobre como ir até Chiang Mai, descobri sobre o trem noturno de Bangkok a Chiang Mai. De primeira, pensei “eita, legal!”. Depois fui lendo alguns relatos e pensei “eita, rolê errado”. Até que decidi que precisava passar por essa experiência para tirar minhas próprias conclusões. Quando novamente eu teria a oportunidade de cruzar a Tailândia de trem?

Ah, antes de começarmos, gostaria de pedir desculpas pela péssima qualidade das imagens desse post. Eu estava dentro de trens com iluminação artificial, de noite, fotografando com o celular, então as fotos ficaram bem ruins. Mas não queria deixar de postá-las, porque meu objetivo principal era passar a experiência do trem!

Compra do ticket do trem noturno de Bangkok a Chiang Mai

A empresa de trens da Tailândia não possui venda pela internet. Isso significa que ou tens que ir até alguma estação para fazer a compra das passagens, ou comprar por alguma agência. Optei por comprar com a 12GoAsia, que era uma agência bem cotada no Google. Quando compras no site deles, na verdade estás fazendo uma reserva. Eles têm escritório na frente da estação de Hua Lamphong e, quando alguém faz essa reserva, eles vão lá na estação e compram o ticket presencialmente. Ou seja, tens que pegar o ticket com eles antes de viajar. Podes pegar com a antecedência que quiser, desde que eles estejam abertos. Pode pegar dias antes ou mesmo logo antes do trem. Só vai com alguma antecedência para não perder o trem, né! Recomendo chegar com cerca de uma hora de antecedência à estação para dar tempo de ir até o escritório pegar o ticket e tudo o mais. Cheguei com pouco menos de uma hora e deu tudo certo, pude fazer tudo com calma e tal.

Quando fazes a reserva, já tens que pagar. Mas fica tranquilo, se o trem já estiver sem vagas, eles te devolvem 100% do valor. É algo bem seguro. Além disso, há um espaço para escrever ou selecionar preferências do tipo “se o meu horário de trem escolhido não estiver mais disponível, quero que seja comprado o horário mais próximo” e coisas do tipo.

Para ficar mais claro, tirei fotos do processo de compra da passagem do trem noturno de Bangkok a Chiang Mai:

Essa é a página inicial, assim que entras no site. Lá em cima, tu selecionas o lugar de partida, o lugar de chegada, a data e a quantidade de passagens que quer comprar. Presta atenção nesse negócio da quantidade de passagens, porque eu notei que cada vez que se entra no site, a opção para duas pessoas está selecionada (vai acabar pagando por dois se não tomar cuidado, haha). Ah, lá em cima também dá para selecionar a linguagem e a moeda em que os preços vão aparecer.
Agora aparecem as opções de transporte de Bangkok até Chiang Mai. Aparecem no topo da página as opções de trem, depois as de ônibus e, por último, as de avião. Nesse momento, é bom ter atenção, pois há vários horários e várias opções de classes. Escolha a opção “2nd class sleeper”, o que quer dizer que é um vagão com camas. Se não fizer questão de ar condicionado, pode escolher a opção “with fan”. Se fizer, escolha “A/C”. Há também opções de primeira classe (1st class): a diferença é que há cabines fechadas, com uma porta para cada beliche. Há um pouco mais de privacidade e segurança para as malas.
Após selecionar a opção de trem desejada, aparece uma página para colocar seus dados pessoais. Confira várias vezes o seu endereço de email, pois é por ele que a 12goasia se comunicará contigo.

 

Aqui, tu selecionas a cama de baixo (lower berth) ou a de cima (upper berth).

 

Agora, bem importante: como falei, eles compram presencialmente os tickets. Pode ser que tu tenhas selecionado a cama de baixo, por exemplo, mas ela não esteja mais disponível – então tens que selecionar uma dessas opções.

 

Agora é só selecionar o local de retirada e pagar. O único local de retirada que não tem custo é no próprio escritório deles. Mas, em Bangkok, pagando 150 baht a mais, dá também para retirar na estação de trens de Don Mueang (em frente ao aeroporto de Don Mueang). Caso esteja em Chiang Mai, há uma opção de hotel para retirada.

 

Poucas horas depois, eles te mandam um e-mail falando se realmente foi feita a compra do ticket. Se foi feita, eles te enviam um voucher e instruções de como retirá-lo. Senão, será feita a devolução do dinheiro.

Eu recomendo que compres essa passagem com alguma antecedência. Eu olhei duas semanas antes da data que eu queria e alguns horários já estavam esgotados (e o horário que eu escolhi já estava quase esgotado também). Recomendo uma antecedência mínima de umas três semanas para a compra.

Na data da viagem, fui até a estação de Hua Lamphong. Por e-mail eles te ensinam a chegar ao prédio da empresa de metrô, mas eu cheguei lá de taxi. Quando olhei ao redor da estação, vi que tinha poucos prédios, então seria fácil achar o da 12goasia. Foi só olhar mais atentamente que vi um com um letreiro escrito “DOB”. Bingo! Mas, como a estação tem vários “lados”, o jeito mais fácil mesmo de chegar é pela saída 1 do metrô. Mas calma, não precisa ir até lá de metrô: é só entrar em qualquer saída da estação de metrô Hua Lamphong (há uma saída bem na estação de trens) e seguir as placas para pegar a saída 1. Pegando a saída 1, é só continuar andando naquela calçada (siga à direita) que em poucos metros chegará ao prédio.

O prédio DOB

Chegando ao prédio, a loja da 12goasia fica logo no térreo, em frente à porta de entrada. Não tem quase nada no prédio, então é difícil se perder.

Além de mim, havia várias outros estrangeiros buscando tickets, o que mostra que a 12goasia faz sucesso (realmente, a praticidade é ótima). Fui atendida por uma atendente muito simpática e com um inglês ótimo (raridade, infelizmente haha) que conversou um pouco comigo. Serviço nota 1000, recomendo com toda a certeza!

Segui de volta para a estação para pegar meu trem. No ticket há o número do trem, do vagão e do assento. É só conferir nas várias telas que há pela estação em que plataforma está seu trem. Quando encontrar o trem, procure seu vagão e assento. O ticket vai ser conferido por alguns funcionários logo depois que o trem começar a andar, então mantenha ele em um lugar fácil de pegar. Aliás, uma dica: o ticket não é nominal, então é só aquilo ali mesmo! Não perde, porque se perder não tem como reemitir nem nada do tipo, nem a 12goasia pode fazer nada, mesmo que tu tenhas o voucher.

O trem

Como eu tinha lido bastante antes e visto fotos, fui “preparada para o pior”. Não esperava nenhum tipo de luxo. O trem era antigo, e as poltronas, simples. Não dava de dizer que o trem por dentro era bonito, mas também não dava para dizer que era mal cuidado. O trem estava limpo, as poltronas eram simples mas não havia rasgos nem nada do tipo, havia ar condicionado e ventiladores de teto.

A configuração do trem era da seguinte forma: havia, de cada lado do trem, para cada “bloco”, duas poltronas largas, uma virada para a frente da outra. Cerca de uma hora depois de partirmos, uma funcionária veio fazer as camas, e as duas poltronas de baixo ganhavam mais algumas almofadas e eram transformadas em uma cama. Era realmente uma cama, pois era colocado um colchonete em cima das almofadas da poltrona, então não era como quando tu dormes em um sofá, haha. E, embutida no teto, havia outra cama, que virava, junto com a cama de baixo, um beliche. Para subir, uma escadinha estreita, mas melhor que a de quase todos os beliches que eu já dormi na vida, haha. (Por que escadinha de beliche tem que ser tão zoada???). Ah! Eles emprestam travesseiros (travesseiro normal mesmo, não os pequenos de avião) e cobertores para se cobrir, que estavam bem limpinhos, por sinal.

A cama era confortável. Óbvio, não como a da nossa casa, mas perfeitamente dormível. Estreita, mas dormível. Para cada cama havia uma cortina. Todo mundo fechou sua cortina para dormir, óbvio – e naquela hora, com várias cortinas, o corredor estreito, várias malas pelo corredor, só me veio uma palavra na cabeça: cortiço. Parecia um cortiço, hahaha!!!

As camas montadas. O cenário era mesmo feio, ainda mais com esse montes de mala no corredor, haha.
A foto tá feia, mas é só para mostrar como é o espaço da cama de cima, hehe.

 

Embaixo, a poltrona ainda sem virar a cama de baixo. Em cima, minha cama.

Agora vem a minha primeira dica: a não ser que tu não ligues mesmo para janelas e que não fique agoniado em lugares apertados, eu recomendo fortemente que tu compres a poltrona que dá direito à cama de baixo. É fácil, na hora da compra é só selecionar “lower bed”. O valor dela é um pouco maior, mas pouca coisa, acredito que cerca de 100 baht. A cama de cima não tem janela, gente! Eu sou fã de janelas #timejanela, e como as camas são montadas pouco depois que o trem anda e desmontadas pouco antes de o trem parar, fiquei umas 11 horas sem saber o que tava rolando de fora do trem ahhaha. Claro, boa parte desse tempo eu passei dormindo, mas ainda assim, teria sido tão lindo cair no sono com uma janela do lado, haha… Mas eu tinha que dar meu jeito. Coloquei o celular para despertar cedinho e fui tomar café no vagão restaurante! Eu não estava com fome e não pretendia comer nada no trem, mas sabia que ia encontrar janelas no vagão restaurante e não rolava ficar lá sem comer nada.

O vagão restaurante, era, claro, como o resto do trem, bem simples e antigo. As janelas, lá, ficavam abertas; havia poucas mesas e alguns bancos até soltos, haha. Mas, gente, eu tava ali pela janela mesmo. E daí… Puxa, que visual! Que paz que eu senti ali. Eu comecei a rir sozinha, e não conseguia parar. Dali, daquela janela, eu conseguia observar o estilo de vida tailandês, as casinhas típicas tailandesas pelas quais passávamos, as árvores, os cachorros correndo atrás do trem (cachorro é igual no mundo inteiro, né? Ahah). Pude também observar como a maioria das estações eram super bonitinhas! Eu amo janela, tenho agonia de saber que tá passando um mundo lá fora sobre o qual não sei nada e simplesmente não posso observá-lo. Obrigada, vagão restaurante!

Vagão restaurante

 

O vagão restaurante e a sua modesta cozinha, haha! Esses em pé são os funcionários!

Pedi o cardápio para o simpático funcionário. Para minha surpresa, preços ótimos, exploração zero! Pedi uma sopa de arroz (grande!), que veio com um bolinho, uma banana, um suco de laranja e uma bebida quente (dica: não peça o café, era uma água suja ahhaha), isso tudo por 150 baht. Maior do que a média de preços tailandeses, mas ainda assim, preço bom. Com certeza valeu o preço. Comida honesta!

 

Minha sopinha de arroz! A porção era grande, me manteve de pé por algumas horas, haha. E depois eu descobri que sopa de arroz é mesmo um café da manhã típico da Tailândia! Fiquei feliz!

 

O cardápio de café da manhã. Dica: o tal do Milo que aparece nas opções de bebidas quentes é um chocolate bem comum (e gostoso) na Tailândia. Se soubesse, tinha pedido ele!

 

 

Chegamos a Chiang Mai com poucos minutos de atraso. Foram cerca de 13 horas dentro do trem. Sim, bastante, mas que passaram rápido para mim!

Adorei a experiência. De verdade. Me senti muito privilegiada por estar em um trem muito barato, que dispunha até de cama, visitando o interior da Tailândia. Mas eu entendo quem não curte a experiência – a viagem é demorada (podia ser bem menos, mas o trem demora horrores para sair de Bangkok por parar em várias estações), o trem não era nada bonito por dentro e o vagão restaurante fugia de qualquer padrão de restaurante, hahaha. (apesar de que eu achei que ia ser bem mais feio, que ia ficar com nojo de comer lá e tal – mas não). Para mim, a pior parte foi o banheiro. O banheiro, sim, era bizarro, então a melhor opção é evitar usá-lo! Suspende a água por algumas horas que tá sucesso, fiz isso e só precisei usar uma vez hahah. Bom, no lugar da privada tinha um buraco. Sim, um buraco. Não, não dava na terra (graças, né), mas dava em algum lugar bem fundo, que não dava nem para ver. Tipo banheiro químico mesmo, só que bem mais fundo (não rolava tanto cheiro ruim). Da pia saía um filete de água (mas isso nem me assustou – banheiro de avião geralmente é essa mesma porcaria) e, bom, foi tudo no escuro, porque eu tô até agora tentando achar o interruptor da luz, hahaha.

O trem da volta- cadê meu trem velho?

 

Na volta, fui empolgada pegar meu confortável e velho trem. Até tentei trocar minha passagem para uma poltrona de baixo, mas o trem estava lotado. Tudo bem, eu manteria o plano da ida de acordar cedo para ver o dia amanhecendo do restaurante!

Fui procurar o trem e, no lugar do meu velho (literalmente) amigo, um trem novinho. Conferi umas três vezes se aquele era mesmo meu trem, porque eu não tinha pago por aquilo não, haha! Mas era. Entrei. Ar condicionado potentíssimo (o do primeiro também funcionava perfeitamente, mas esse era nível ar condicionado de agência de banco). Poltronas novinhas. Maleteiros não no corredor ao lado das camas como no outro trem (que ajudavam a deixar o trem com a maior cara de cortiço, haha), mas sim no teto. Portas entre os vagões daquelas em que tu aperta um botão e ela abre, fechando automaticamente depois. Fui dar um confere no restaurante. Mesas bonitas, funcionários uniformizados. O banheiro? Perfeito, melhor que de muito avião. Gente!! Hahaha bom, desse não tinha praticamente o que reclamar, mesmo! O trem era lindo por dentro, nível qualquer trem turístico que eu já tenha andado na Europa, por exemplo. Apenas dois defeitos: enquanto o primeiro trem tinha opções muito legais de refeição, o trem novo só estava com três refeições disponíveis – e todas tinham camarão ou porco, duas carnes que eu não como. Resultado? Tive que comprar uma opção de um tipo de bolinho típico na Tailândia, o bum. Tava com fome e jantei o tal do bum. E vi muita gente saindo com batata de pacote de lá, sinal que também não tinham gostado das opções de refeições. Ah, e outra: essas três refeições disponíveis eram prontas, daquelas de mercado! Eles só esquentavam. Saudades, sopinha de arroz feita com amor, haha. Pensei, dei azar agora no jantar, mas no café vou vir aqui cedinho e garanto algo melhor! Que que tinha para o café? Nada, era o mesmo cardápio. Que que eu comi? O bum de novo. Ah, vale lembrar que no trem velho havia cardápio de jantar e de café da manhã. Então, dica: leva alguma comida. Nunca se sabe se vais dar azar com o restaurante ou não, né! Haha. O outro defeito era a temperatura do ar condicionado. Passei frio quase a noite inteira, mesmo com a cobertinha que eles davam. Leva um casaquinho bom e vai de calça, se for friorento.

O bum, meu jantar e meu café, hahaha

No primeiro trem eu tirei fotos do vagão em geral, mas acabei não tirando do banheiro porque pensei “ah, tô meio cansada, no trem da volta eu tiro”. Só não contava que ia ser um trem totalmente diferente, né! Haha. Lição aprendida. Então, peço desculpas, mas vocês vão ter que acreditar na minha descrição do banheiro do primeiro trem, hahaha.

Pias do banheiro do trem novo
Vagão restaurante do trem novo

Vale lembrar que havia muitos turistas em ambos os trens. Na verdade, havia bem mais turistas do que tailandeses. Isso não deixa os trens com cara de “para turistas”; são trens que dá para notar que os locais usam. Havia tudo quanto é tipo de gente: mochileiros, casais jovens, casais de aposentados, famílias. Vale lembrar que em nenhum, absolutamente nenhum momento fiquei com medo de acontecer algo tipo algum acidente ou de alguém me fazer mal ali. Como falei, entendo quem não goste de tal tipo de experiência; eu tenho paciência com viagens longas e amo observar a paisagem, por isso adorei. Mas, se optar por não ir de trem, que não seja por medo, combinado? O único risco que eu considero no trem, mas isso é em qualquer trem, seja ele na Ásia ou na Europa, é de furto de malas. No ônibus e avião as malas vão seguras em um compartimento de bagagem, já no trem estão disponíveis para qualquer pessoa pegar. No caso desse trem, ainda havia bagageiros para praticamente todas as poltronas, diminuindo a chance de isso acontecer. Mas a chance existe, claro, principalmente enquanto estiveres dormindo. Então, olho aberto, cadeado na mala, tenta dormir com a cabeça para o lado onde a mala está para ouvir qualquer mexida nela, e evita levar malas grandes (não é impossível, mas, se tiveres essa opção, é melhor não levar). Eu levei só minha mochila e ela dormiu no meu pé, na cama mesmo hahaha. De novo: eu teria esse cuidado em qualquer trem, seja ele na Tailândia ou em qualquer país. Gente ruim tem por todo o mundo!

Uma das estações pelo caminho

Ah, outra dica: no trem velho havia pouquíssimas tomadas por vagão. No trem novo, uma tomada para cada poltrona. Mas, como esse parece não ser um padrão, recomendo não contar com isso.

Pelo que li no site da 12goasia, a companhia de trens da Tailândia está operando com trens novos desde o ano passado, por isso alguns são novos e outros não. Olhando as fotos dos trens na página de compra da 12goasia, deduzi que dá para saber se o trem é novo ou não. Clique em cima das fotos de cada horário de trem para vê-las maior e veja se o interior do trem parece mais com as fotos do trem novo ou velho desse post. Não é garantido, mas acho que vale arriscar!

Achei que esse trem noturno de Bangkok a Chiang Mai era tão polêmico que valia fazer uma comparação de vale x não vale a pena:

Eu te recomendo esse trem se:

Tu gostas de observar paisagens rurais
Adoras uma nova experiência
Amas viagem de trem
Não liga para lugares que parecem feios, apesar de não apresentarem perigo
Dorme em qualquer lugar, mesmo com barulho e balanço
Acha que toda economia, por menor que seja, é sempre válida

Não te recomendo esse trem se:

Odeias viagens longas
Não dorme facilmente com barulho e balanço
Vai estar com muitas malas
Não curte ter que depender de um banheiro bizarro por algumas horas
Prefere deslocamentos de avião sempre
Está muito em dúvida com a qualidade do trem, mesmo depois de ler o post. Não vou tentar te convencer não, vai que tu acha uma cilada e vem me xingar, hahaha!!

Quer nos ajudar a manter o Mapa na Mão funcionando? É só usar os nossos links para planejar sua viagem! Você NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO e nós ganhamos uma pequena taxa, ajudando a manter nosso trabalho de pé! 🙂

Hotel ou apartamento: reserve o seu por este link no Booking.

Aluguel de carro: reserve no Rentalcars.

Seguro Viagem: faça o seu aqui e saiba tudo sobre seguro neste post.

Câmbio (compra de moeda): esta é uma novidade do blog. Através deste link, você pode encontrar a melhor cotação para a compra de moeda estrangeira. Confira!

E não fique por fora das novidades e promoções do Mapa na Mão:

  • Entra lá no Facebook, curta nossa página e convide amigos para curtir também: Mapa na Mão
  • Inscreva-se em nosso canal do YouTube: Mapa na Mão
  • Siga nosso Instagram: @mapanamao
  • E inscreva-se no nosso blog ali ao lado onde está escrito: ASSINE NOSSO BLOG

 

Curtiu saber mais sobre Chiang Mai? Ainda virão mais alguns posts sobre a cidade, como sobre o hostel onde fiquei, sobre os passeios que fiz… Acompanha a gente para não perder!

Ester

31 comentários em “Trem noturno de Bangkok a Chiang Mai – vale a pena?

  1. Hahaha, tô dando muita risada aqui pq andei de trem na India e o seu trem parece um 5 estrelas pra mim. Andar de trem na Asia é, sem dúvida, uma experiência memorável, mas acho que faz parte. Um dia vou te mostrar as fotos do meu trem na India.

  2. Uau! Este post foi uma viagem em si. Adorei ler seu relato e fazer esta trip/aventura junto com você. Parabéns pelo relato, será super útil para todos que pensaram ou pensarão em cruzar a Tailândia de trem.

  3. Eu odeio viagens longas, não durmo facilmente com barulho e balanço, mas morro de medo de avião!
    hahahahaha

    Adorei essa tua experiencia! Brincadeiras a parte, tem certas coisas que precisamos experimentar para saber como é!

    Peguei um trem Intercity do sul da Itàlia até o norte (Torino)! E’ uma infinidade de horas (rsrsrs)!
    O trem costeia o mar Adriàtico! Seria lindo o caminho se eu não tivesse ficado P da vida por terem me vendido um bilhete sem a reserva do lugar. Isto é: fiz a viagem em pé (na verdade me sentei no chão de raiva) e sò consegui me sentar quando o trem chegou em Bologna! E o pior: ninguém me ajudou com as minhas malas!!!!

  4. AMEI o seu post!!! Na verdade, enquanto estava lendo sobre o primeiro trem, eu estava imaginando: “como seria o banheiro?” Pela sua descrição, foi o mesmo tipo que encontrei em uma parada de ônibus na Turquia… Que bom que o segundo trem foi mais bonitinho e confortável, he he he…
    Abraços
    Carolina

  5. Nossa, sou a-p-a-i-x-o-n-a-d-a por trem. Comecei uma viagem em 2015 e até agora só peguei os trens turísticos, pois é o que tem na América do Sul. Devo chegar pela Ásia mais pro fim do ano e o seu post caiu como uma luva nos meus planos. Adorei a viagem, mesmo com o trem mais velho.
    Também sou #timejanela e adoro observar a paisagens e os povoados que passam. Gosto de viajar de trem por isso. Incrível! Já salvei tudo e já estou fuxicando no site da 12goasia pra ir me preparando. E pedirei um Milo com certeza! <3

  6. Adorei!! Deve ser uma viagem linda de ser feita durante o dia observando as paisagens. Eu adoro viajar de trem e uma hora dessas preciso fazer essa viagem de trem para ver como é, pelo seu relato parece ser mais tranquila do que eu imaginava

    1. Ai guria, não coloquei mesmo!! Tinha tantos detalhes pra eu colocar que esqueci de colocar o mais importante, hahaha!! Mas custou em torno de 70 reais o trecho!! AirAsia salva, né? Bjinho!!

  7. Amei o relato, super completo e faz a gente viajar com você, eu não teria problema em viajar em nenhum dos dois que você foi, meu maior problema seria a comida hahaha Adoro comer bem e não sei se me adaptaria.
    A sopinha de arroz é tipo arroz doce? Fiquei curiosa, pois parece!
    Beijos.

    1. Que bom que curtiu, Paula! Fico muito feliz! Realmente, a comida é algo a se cuidar! Pior que não guria, a sopinha era bem salgadinha! Uma delícia, haha! Apesar de eles curtirem colocar açúcar em todas as preparações na Tailândia, eles colocam bem pouco, então as comidas são salgadas mesmo, no geral. Bj!!

Oi! Tem alguma dúvida, sugestão, dica ou comentário, deixe aqui para nós e viajemos juntos!

%d blogueiros gostam disto: