Skip to main content

Castelo Rá-Tim-Bum no Memorial da América Latina- voltando 20 anos no tempo

Se tu nasceste no final da década de 80 ou começo da de 90 e não era viciada em assistir ao Castelo Rá-Tim-Bum, eu não confio em ti! Hahaha gente, absurdo, tô brincando. Mas pelo menos já deves ter ouvido falar nesse programa da TV Cultura que prendia boa parte das crianças da década de 90 na frente da TV.

Pois bem, era meu programa preferido. Não havia dia em que eu não deitasse no chão da casa da minha vozinha com o meu primo para assistir às aventuras de Nino, Pedro, Biba e Zequinha (meus pais faziam faculdade na época, então eu ficava com a minha avó depois da escola!).

Caso tu não estejas entendendo patavinas do que eu tô falando, o Castelo Rá-Tim-Bum foi um programa produzido e exibido pela TV Cultura entre 1994 e 1997. Pelo menos até pouco tempo atrás ainda passavam alguns episódios na programação da emissora (não sei dizer se ainda passam!). O programa contava a história de um castelo mágico que cresceu ao redor de uma árvore, onde moravam, além de uma criança de 300 anos de idade (Nino), os seus tios, e vários outros seres como uma cobra falante que morava na árvore, passarinhos que moravam nessa árvore e cantavam e tocavam instrumentos, um ratinho que tomava banho (ahh, desse é impossível tu nunca ter ouvido falar! Dá uma olhada nesse vídeo!)…

Castelo Rá-Tim-Bum recebeu vários prêmios na época, por se tratar de um programa muito educativo. Era um programa que ensinava sem cair no chato, sabe? Algo que eu li no começo da exposição e que me chamou a atenção (e com a qual eu concordo) é que o programa respeitava a inteligência das crianças. Concordo! E, ao longo da exposição, eu pude ir lembrando dos detalhes do Castelo Rá-Tim-Bum, e foi até engraçado vê-lo tão de perto agora, como adulta. Quando criança, eu encarava ele apenas como meu programa preferido, mas hoje eu vejo como era um programa extremamente criativo, elaborado ao mesmo tempo que simples, com muita gente competente por trás – e como algo similar vai demorar muito tempo a ser produzido na TV brasileira e até mundial.

Dois anos atrás, houve uma exposição sobre o Castelo no famoso Museu da Imagem e do Som, também em São Paulo. Foi a primeira exposição sobre o Castelo da qual eu ouvi falar. Não rolou de eu ir, deu aquela dorzinha no coração, mas paciência. Em março desse ano, uma notícia bombástica: uma nova exposição sobre o Castelo, e, dessa vez, mais completa ainda, com todos os ambientes do castelo recriados! Minha nossa! Eu já estava querendo ir para SP para visitar o namorado, e essa foi só uma desculpa a mais para ir para essepê!

A exposição está rolando no Memorial da América Latina, na Barra Funda, a princípio até final de junho. Digo a princípio porque acho muito difícil que eles não estendam (e eles mesmos dizem que ela pode ser estendida). Para se ter uma ideia, todos os finais de semana até o final da exposição (e boa parte das noites dos dias da semana) estão esgotados!! Eu fui olhar para comprar umas três semanas antes da data em que eu queria e não só já não tinha para aquele final de semana como não tinha para a sexta de noite, que era o dia em que eu poderia ir com o namorado, por conta do horário de trabalho dele. Já estava um pouco conformada de que teria que ir sozinha, até que abriram novos horários durante a semana (a última entrada era até as 20h, e então abriram para as 20:30 e 21h), e ele conseguiu comprar de surpresa.

Minha dica é: para quem mora em SP, faça o máximo possível para ir nos horários comerciais, pois são os horários que ainda têm mais vagas e porque há mais chance de a exposição não estar tão cheia. Para quem é de fora e os únicos dias possíveis de se fazer a visita são nos finais de semana, há algumas opções: ficar olhando o site de vendas de ingressos com regularidade, pois como é possível fazer devolução ou trocar ingressos, pode ser que alguém que tenha comprado para o horário que tu desejas tenha devolvido o ingresso; ficar de olho nas redes sociais do Memorial da América Latina, porque, se eles abrirem mais horários como aconteceu conosco, com certeza divulgarão lá; ficar de olho nos comentários dos posts nas redes sociais sobre a exposição, porque já vi gente oferecendo o ingresso por lá porque não poderia ir; e mandar vários emails e mensagens inbox pedindo para eles abrirem mais datas e horários, além de prolongarem a exposição, haha. Eu mandei um inbox para eles fazendo algumas perguntas e eles responderam super rápido e foram bem simpáticos. E, se alguma dessas situações acontecer, compra o ingresso na hora sem deixar para depois, porque ele pode acabar haha, e porque, se não puder ir, eles trocam o teu horário por outro dia ou horário vagos. Mas essa troca só é possível na bilheteria física do Memorial (e vale se informar antes para saber como funciona).

A partir daqui, tá cheio de spoilers da exposição. Eu quis contar em detalhes porque a exposição foi muito especial para mim e porque, caso eu não conseguisse ir, eu iria querer me sentir dentro dela. Mas, como eu sabia que iria, não quis ler nada sobre antes para ser tudo surpresa, por isso estou avisando dos spoilers, haha. Lá no final do post dei mais informações sobre como chegar. Vamos aos detalhes?

Leia também: O que fazer em SP em um dia – as sete melhores atrações

Castelo Rá-Tim-Bum no Memorial da América Latina

Parte da fachada externa do Castelo foi recriada – algo como a frente do Castelo. O mais legal da fachada é com certeza a bandeira tremulando – eita, que emoção! A porta por onde entramos tem um… Porteiro! Igualzinho ao de verdade! De vez em quando ele fala também (o boneco não se mexe, mas saem alguns sons). Tinha uma filinha para tirar foto com o porteiro, claro, haha. Mas bem aceitável.

Fachada externa do Castelo Rá-Tim-Bum. A luz estava péssima e a foto ficou ruim 🙁
Fachada externa do Castelo, namorado e eu
É isso mesmo pessoal, eu tenho uma foto com o Porteiro do Castelo Rá-Tim-Bum, haha! Plift ploft still, a porta se abriu!

Logo que entramos, nos deparamos com a maquete do castelo! Sabia que as imagens do castelo sendo construído, que eram mostradas na abertura do programa, eram na verdade feitas a partir da maquete do castelo? Loucura, né? Já dá para imaginar que a maquete é perfeita! E ah! A arquitetura do Castelo Rá-Tim-Bum foi inspirada nas obras do arquiteto modernista Antoni Gaudí, sabia? Pior que realmente lembra, haha. Do lado da maquete, temos o original Porteiro do Castelo (aquele que te recepciona é uma réplica perfeita, mas o original está ali, tão lindo! Olhei ele bem de pertinho e, já de cara, me dei conta de quanto aquele boneco era simples, feito de lata mesmo!

Maquete do Castelo Rá-Tim-Bum
Porteiro original. Aff gente, ele é muito fofo!

Nos próximos corredores, memórias do grande sucesso que foi o Castelo. Há vários recortes de jornais e revistas da época que destacavam os prêmios recebidos pelo Castelo. Há também algumas das cenas escritas (não sei o nome daquilo, gente haha), na versão original! Há também uma cronologia com os principais programas infantis da época e que inspiraram a criação do Castelo Rá-Tim-Bum.

Planta do Castelo Rá-Tim-Bum

Há uma sala com depoimentos em vídeos de alguns atores e profissionais envolvidos como Castelo, como produtores e diretores. Essa para mim foi a parte mais falha, pois tu chegavas nessa sala sem saber quem era aquela pessoa que estava falando e tal, além de pegar os depoimentos no meio, sem poder voltar para o começo. Eu adoraria ter ouvido o depoimento de todos eles (haha), mas acabei passando bem rápido por ela.

Dali em diante, todos (pelo menos não consegui lembrar de algum que estivesse faltando) os personagens são relembrados! Para todos eles, havia os figurinos originais, os croquis dos figurinos, um pouco da história da criação dos personagens, as inspirações… Nossa, que volta ao passado! Ah, falava também dos dubladores dos bonecos, e tinha algumas fotos muito legais do processo de atuação dos bonecos, com vários atores envolvidos em mexê-los, haha.

É hoje que este Castelo será meu! MUA, MUA, MUAHAHAHA!
Passarinho, que som é eeeesse? Nossa, eu me pego cantando essa música direto, haha
O ratinho original!
O Dr. Vitor vai chegar, o Dr. Vitor está chegando, o Dr. Vitor chegoooou!
Croqui original do figurino de Tíbio e Perônio

Depois, começam todos os ambientes. Todos foram recriados, mas fora de ordem (não imitando a planta original do Castelo Rá-Tim-Bum, mas sim um cômodo após o outro – tirando a última parte, que é a que mais se assemelhou à planta original). Estão ali a biblioteca do castelo (com tanto uma réplica do Gato sentada na poltrona, que fica falando, quanto com o Gato original!), a cozinha do castelo (uma das minhas partes preferidas), o lustre, o ninho das passarinhas, o laboratório de Tíbio e Perônio, a sala de música, a sala da lareira… E, no final, a melhor parte: o hall do castelo, com a árvore, o quarto do Nino (sim, com aquela poltrona que gira a parede!! Pode sentar na poltrona, mas a parede está presa para não girar, infelizmente). Os cômodos não estão exatamente iguaizinhos, claro, mas boa parte dos detalhes está ali!! Muito emocionante. Há várias curiosidades também. Ah, não podia faltar o quarto da tia Morgana, claro (era meu cômodo preferido quando eu assistia ao Castelo!).

Interior do lustre, onde moravam as fadinhas
Quarto da tia Morgana! Acho que eu adorava esse quarto porque ele ficava na torre do Castelo, haha
Cozinha
Cozinha
Cozinha (com todos os detalhes!)
O hall do Castelo! Suspirei forte quando vi, haha
O hall visto de cima (do quarto da tia Morgana). Tá vendo o lustre ali no canto?
Figurino original da tia Morgana
Gente, a Celeste fechava os olhos quando falava (e nessa hora que tirei a foto ela estava falando), por isso ela saiu assim. Não é dorgas não hahaha

Eu recomendo muito a exposição. Achei genial trazer de forma tão criativa essa homenagem a um programa que foi tão importante para as crianças da época. A considero obrigatória para quem assistia ao Castelo, haha! E vale levar as crianças de hoje também, para conhecerem os cenários de um programa tão especial (e que tenho certeza que também encantaria as crianças de hoje). Memorial da América Latina, estende essas datas aí para mais gente poder ver, vai! E traz mais exposições desse tipo, é um tipo de lazer muito diferente! Vou só jogar aqui a ideia de recriar a vila do Chaves, hahaha. Ah, outra coisa que achei muito legal foi a acessibilidade do evento. Tinha até elevador para quem precisasse utilizá-lo para ir até o quarto da tia Morgana (o único que precisava de escadas).

É bem fácil de chegar ao Memorial da América Latina (o lugar onde está ocorrendo a exposição). O lugar fica em frente à estação Palmeiras/Barra Funda, na linha 3 (vermelha). Só ir até lá!-

A exposição tá rolando de terça a domingo, sendo das 9 às 21h de terça a sexta e das 9 às 22h aos sábados, domingos e feriados. Na verdade, tu podes entrar até esses horários, e uma vez estando lá dentro, a princípio não precisa sair correndo para terminar a exposição (pelo menos de acordo com o que eu entendi).

Quando fores comprar o ingresso, os horários são marcados, sendo que é possível comprar em horas cheias e de meia em meia hora (tipo 9:30, 10h, 10:30…). Conosco, o funcionário foi super gente boa e flexível, porque chegamos um pouco mais cedo (45 minutos) do que o horário para o qual compramos e ele nos deixou entrar. Mas fomos na última sexta feira, dia da greve geral, e, por isso, a exposição estava atipicamente mais vazia, segundo o próprio funcionário. Então eu não recomendo contar com isso de ir em horário diferente do marcado, não!

Os valores são bem amigos: 20 reais o ingresso inteiro e 10 a meia. No site eles dizem quem tem direito a meia e foram bem tranquilos quanto à conferência, pelo menos comigo (porque tem lugar que só está aceitando carteirinhas de estudante de entidades específicas como a UNE, e eu levei a carteirinha da minha universidade mesmo).

 

Site do Memorial

Site da exposição (compra de ingressos – é confiável)

Facebook do Memorial

Onde se hospedar em São Paulo:

Aqui fizemos uma seleção de hotéis em São Paulo ordenada pelas principais escolhas do site. Porém, logo no início, antes dos hotéis, podes escolher outros filtros como preço mais baixo primeiro, distância do centro da cidade, estrelas, e outros. Na coluna laranja à esquerda, preencha os campos com a data da entrada e da saída, o número de quartos, de adultos e crianças e clique em pesquisar. Só depois escolha o filtro que mais te agrada. Escolha teu hotel clicando nele e finalize a reserva. Boa estada!

Quem segue a gente no instagram (@mapanamao) acompanhou em tempo real a minha visita ao Castelo e viu todos os detalhes! Se não segue ainda, vai lá para não perder as próximas viagens 🙂

Ah, se tu curtes o Castelo, te recomendo esse vídeo, achei muiito legal: 11 coisas que você não sabia sobre o Castelo Rá-Tim-Bum

 

Quer nos ajudar a manter o Mapa na Mão funcionando? É só usar os nossos links para planejar sua viagem! Você NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO e nós ganhamos uma pequena taxa, ajudando a manter nosso trabalho de pé! 🙂

Hotel ou apartamento: reserve o seu por este link no Booking.

Aluguel de carro: reserve no Rentalcars.

Seguro Viagem: faça o seu aqui e saiba tudo sobre seguro neste post.

Câmbio (compra de moeda): Através deste link, você pode encontrar a melhor cotação para a compra de moeda estrangeira. Confira!

E não fique por fora das novidades e promoções do Mapa na Mão:

  • Entra lá no Facebook, curta nossa página e convide amigos para curtir também: Mapa na Mão
  • Inscreva-se em nosso canal do YouTube: Mapa na Mão
  • Siga nosso Instagram: @mapanamao
  • E inscreva-se no nosso blog ali ao lado onde está escrito: ASSINE NOSSO BLOG

 

Espero que tenham curtido! Tu assistias ao Castelo? Já visitou a exposição? Me conta o que achou!

Ester

21 comentários em “Castelo Rá-Tim-Bum no Memorial da América Latina- voltando 20 anos no tempo

  1. Adorei o post.. Adorava assistir ao Castelo Ra Tim Bum quando era criança.. Espero que a exposição seja prorrogada.Estou indo para o Brasil em Julho e vou chegar por SP.. Eu adorada a celeste e a tia Morgana

      1. Eu também!! Vou ficar de olho para tentar ir.. Quando morava em São Paulo ia muito ao Memorial da America Latina que ficava bem pertinho de onde eu morava.

  2. Eu nasci no final dos 70 e adorava!
    hahahahahaha
    Entonces…. vi que você gostou e entendi o motivo: você não foi de final de semana!
    Minha irmã queria ir com os meninos (meu fllhote + meus 2 sobrinhos) e foi a maior furada. Ela comprou para um sàbado a tarde e, mesmo com horàrio marcado, pegamos uma longa fila e là dentro estava um inferno. Andàvamos em fila para tudo e não rolava parar para ler as coisas ou fotografar. E como estàvamos com os meninos, eles não acharam graça nenhuma e queriam sair dali.
    Enfim, detestei!
    rs

  3. Que legal a exposição e o seu post Ester.
    Achei ottima vc ter a oportunidade de conhecer um pouco mais do programa, e também alguns do personagens.
    Eu já estava grandinho nessa época, mas lembro sim do sucesso do programa.
    Abraço

Oi! Tem alguma dúvida, sugestão, dica ou comentário, deixe aqui para nós e viajemos juntos!

%d blogueiros gostam disto: