Skip to main content

Tour pelo Edifício Matarazzo, em São Paulo – gratuito e nota 10!

Nesse post contei sobre o tour auto guiado que fiz pelo centro de São Paulo. Pois bem, nesse mesmo site incrível de onde peguei o tour, havia algumas informações sobre um tour gratuito e guiado (e quase secreto, de tão difícil de encontrar informações sobre ele) por um dos prédios mais icônicos de São Paulo: o tour pelo Edifício Matarazzo.

Esse tour pelo Edifício Matarazzo é relativamente novo, existindo há cerca de dois anos. Tanto que pouquíssimas pessoas sabem que ele existe! Pudera: é uma dificuldade grande na hora de achar informações sobre o tour. Outro dificultador é que há poucas vagas por grupo e não se pode fazer reserva antecipada. Achei que isso poderia ser um complicador (e fui para lá sem muita esperança de conseguir uma dessas vagas), mas deu tudo certo.

O tour pelo Edifício Matarazzo é oferecido de segunda a sábado, em três horários: 10:30, 14:30 e 16:30. Cada horário tem apenas 10 vagas! Chegamos com 40 minutos de antecedência e ainda havia vagas, mas logo depois, já lotou. A lista de visitantes para cada horário de visita abre uma hora antes, então não adianta ir 2 horas antes do horário lá para tentar garantir que a lista ainda não vai estar aberta. Mas tudo bem: minha dica é ir com essa uma hora de antecedência mesmo, que as chances de conseguir uma vaga são bem grandes. Vai com essa hora de antecedência, coloca o nome na lista e sai passeando pelo centro – porque não precisa ficar esperando lá, basta voltar cerca de 10 minutos antes do horário de início do tour!

A porta de entrada para o tour fica na lateral do prédio: olhando para a fachada principal, aquela que é voltada para o Viaduto do Chá, deves seguir para a lateral esquerda, descendo uma ladeirinha. Lá tem uma porta bem discreta, com um funcionário que fica nela pegando os nomes dos interessados. É bem fácil chegar ao Edifício Matarazzo. Há algumas estações próximas de metrô, sendo a mais próxima a Anhangabaú, da linha 3 (vermelha). Caminhando 5 minutos, vais chegar ao Edifício. Ah! Às vezes, procurando por Edifício Matarazzo nos mapas, não se encontra o endereço. Se isso acontecer, tente pelos outros nomes dele: Palácio do Anhangabaú e prédio da Prefeitura de São Paulo.

Tour pelo Edifício Matarazzo

Dito o que é necessário para fazer a visita, vamos para a própria. Gente, que visita incrível! Não só pelo prédio, que é lindo e cheio de história, mas pelo atendimento dos funcionários. De verdade, acho que eu nunca tinha sido tão bem atendida em algum lugar na minha vida. Fui bem atendida desde o momento em que entrei no prédio, pela recepcionista. Somos acompanhados durante toda a visita por, além de um guia, duas seguranças. Nosso guia, Cláudio, era um querido: nos explicava tudo com toda a calma do mundo, estava sempre disponível para perguntas e queria nos deixar sempre confortáveis, tendo até oferecido água e banheiros. As duas guardas, idem! Simpaticíssimas e muito educadas. Acho que são as primeiras pessoas que eu conheço que pareciam felizes de trabalhar em um final de semana, haha. Meus parabéns e gratidão a todos aqueles queridos que com certeza contribuíram para a experiência.

Detalhes do mármore do hall

O tour pelo Edifício Matarazzo acontece em dois pavimentos: no hall da prefeitura, que seria no térreo do prédio, e no jardim do terraço. Parece bem pouco, mas, durante a visita ao hall, nos é contado muito sobre a história daquele prédio. Minha memória vive me traindo, mas vou tentar sintetizar um pouco.

Aquele prédio foi construído na década de 30 para ser das indústrias Matarazzo. A família Matarazzo era a família mais rica e influente do Brasil naquela época (e uma das mais ricas do mundo), representando o que nenhuma outra família jamais representou na história brasileira. O patriarca Matarazzo emigrou da Itália para o Brasil trazendo com ele banha de porco para vender por aqui. O carregamento foi todo perdido, porém, e ele seguiu para Sorocaba, no interior de São Paulo, trabalhar como comerciante. Logo ele tentou voltar a investir no ramo de alimentos, obtendo muito sucesso na venda de banha. Mais tarde, foi da família o primeiro moinho de trigo de São Paulo. A família precisava de um prédio que combinasse com sua pujança e, para isso, contratou o arquiteto preferido do ditador italiano Mussolini. Daí remontam as características principais do prédio – ele é um prédio frio, sisudo, de formas retas, imponente, extremamente único na cidade.

Segundo nosso guia, a expressão “arquitetura fascista” é equivocada pelo fato de o fascismo ser um “movimento” político, mas, ainda assim, ela é usada de forma errônea para descrever o prédio. Ignorando o fato das coincidências com aquela ditadura terrível, não dá para negar que o prédio é absurdo de lindo. Do lado de fora, ele é todo revestido de mármore. Na fachada, três M adornam o prédio (que representam os três homens da família Matarazzo da época). Também na fachada, seis esculturas no próprio mármore, cada uma representando um ramo com o qual a família Matarazzo trabalhava na época. Isso tudo nos foi explicado do lado de fora do prédio, claro.

Hall do Edifício Matarazzo

O hall não é menos imponente.
Dentro dele, um pé direito enorme, e, na parede para a qual se olha quando se entra pela porta principal, um mosaico lindo e gigantesco de um mapa do Brasil! Estávamos olhando de longe quando Cláudio nos contou que era um mosaico e ninguém quis acreditar, de tão perfeito que era o desenho! No mapa, todos os estados existentes na época (Tocantins e Mato Grosso do Sul ainda não existiam!) foram representados através de algum símbolo.No Paraná, as araucárias e as cataratas. No Rio Grande do Sul, uvas e gado. E, como não poderia deixar de ser, meu estado foi meio esquecido, hahaha. Rola uma piada interna por aqui de que muitas coisas “pulam” Santa Catarina. Eventos importantes, shows, coisas do tipo, acontecem no Paraná e no Rio Grande do Sul, e SC é lindamente ignorada, haha. Até tinha um símbolo no nosso estado, mas bem mixuruca e que nossa senhora, eu nem sabia que algum dia nos representou: alguns trigos. Minha nossa, a gente tem tanta coisa de bom e colocaram trigo!! Hahaha. #chateada
O mosaico mais lindo que eu já vi na vida!

 

Paraná com suas Cataratas e suas lindas araucárias, Rio Grande do Sul com seus vinhedos e seu gado… E Santa Catharina com seu trigo!!!!! Hahahaha

 

Pessoal do Nordeste, me digam: as representações dos estados de vocês estão condizentes? Hehe #treta

 

E quanto ao Norte? Me contem, tô curiosa!

Dali, subimos para o ponto alto do tour pelo Edifício Matarazzo: o jardim! Esse é o jardim suspenso mais alto do Brasil (ou da América Latina, algo do tipo). E, na verdade, vai bem além de um jardim… É uma verdadeira floresta! Há, lá, várias espécies de árvores. Há funcionários responsáveis por catar as frutas que dão naquelas árvores todos os anos, para que aquele jardim não fique muito pesado. O que é feito com elas, Cláudio não soube nos informar… Se souberem de alguma fila para conseguir ganhá-las, me avisem que vou lá! Haha.

O jardim no terraço

A vista de cima do jardim, como não poderia deixar de ser, é sensacional. De lá, podem se ver outros prédios famosos de SP. A vista é privilegiada pelo fato de o Matarazzo ser um edifício alto, estar localizado em uma posição alta e ali ser um vale, tendo uma visão bem “limpa”. Ali, há três mirantes, e, em cada um, paramos e Cláudio nos mostrou os principais prédios. Dentre eles, o Edifício Copan, o Teatro Municipal e toda a proximidade, Edifício Martinelli…

Até ano passado, um terceiro ambiente era visitado: o gabinete do prefeito. Como o prefeito mudou, o gabinete está sendo modificado para o gosto dele, então a visita do gabinete está, por enquanto, suspensa. Uma pena! Não há uma resposta para se e quando ela vai retornar. Imagina que sonho visitar o gabinete! Vamos torcer (e quem sabe pressionar, hehehe) para a reabertura. Se alguém souber que o gabinete reabriu para visita, me avisa, por favor, que eu vou repetir a visita na primeira oportunidade!

 

Esse Teatro Municipal é um desbunde de tão lindo, né? (Adoro essa palavra, hahahaha)

 

Praça da Bandeira

Se tens dúvida entre ir durante a semana ou no final dela
(e tens a oportunidade de escolher), talvez no final de semana seja melhor, já que, por não haver expediente, há mais liberdade de tirar fotografias (pode tirar foto de tudo!). Segundo Cláudio, durante a semana, ele pede que se evite tirar fotos dos funcionários públicos em exercício (o que deve acontecer no hall).

Agora, olha a coincidência, meu povo: nossa amiga Márcia, do Casa de Doda, também fez o tour pelo Edifício Matarazzo recentemente e fez um post poucos dias atrás lindão no blog dela sobre a visita! Não deixa de conferir. Márcia, juro que não imitei, tanto que nem quis ler o post antes de fazer o meu para não influenciar, hahaha!!

Outros posts sobre São Paulo:

Quer nos ajudar a manter o Mapa na Mão funcionando? É só usar os nossos links para planejar sua viagem! Você NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO e nós ganhamos uma pequena taxa, ajudando a manter nosso trabalho de pé! 🙂

Hotel ou apartamento: reserve o seu por este link no Booking.

Aluguel de carro: reserve no Rentalcars.

Seguro Viagem: faça o seu aqui e saiba tudo sobre seguro neste post. Os preços são bons, experiência própria.

Câmbio (compra de moeda): Através deste link, você pode encontrar a melhor cotação para a compra de moeda estrangeira. Confira!

E não fique por fora das novidades e promoções do Mapa na Mão:

  • Entra lá no Facebook, curta nossa página e convide amigos para curtir também: Mapa na Mão
  • Inscreva-se em nosso canal do YouTube: Mapa na Mão
  • Siga nosso Instagram: @mapanamao
  • E inscreva-se no nosso blog ali ao lado onde está escrito: ASSINE NOSSO BLOG

Me conta que tô bem curiosa: já tinha ouvido falar do tour pelo Edifício Matarazzo? Fez? O que achou? Ficou com vontade de fazer?

Você pode salvar este texto no seu Pinterest para futuras consultas, pinando a foto abaixo:

Ester

31 comentários em “Tour pelo Edifício Matarazzo, em São Paulo – gratuito e nota 10!

  1. Ah São Paulo tem tanta história não é!? Pena que não é explorada e não foi bem preservada. Felizmente sobraram lugares maravilhosos como este para a gente visitar e conhecer!

    1. Concordo!! Também sinto muita dor no coração quando vejo o potencial não explorado que São Paulo tem. A verdade é que São Paulo é uma das cidades mais cosmopolitas do mundo, e nem nós, brasileiros, damos a ela o valor que ela merece! Mas sempre há algo que permaneceu bem cuidado, ainda bem 🙂

    1. Vários edifícios do centro têm visita guiada, né? Quero toooodas!! A do Martinelli infelizmente está suspensa por um tempo, outras são só durante a semana (tenho ido aos finais de semana só…). Vou dar uma olhada nessa do Ed Copan! Bjs!

    1. Guria, mas é assim mesmo, muitas vezes não nos atentamos àquilo que está muito disponível para nós! E esse tour não é muito divulgado mesmo, infelizmente 🙁

  2. Nossa! Que dica legal! Apesar de carioca adoro o centro de São Paulo e amo conhecer lugares ricos em história! E ainda por cima é gratuito! Sensacional!

    1. Não é? Quando tu acha que já mapeou todas as atrações da cidade, aparece algo novo! Não tem como não amar SP! Fico feliz de ter ajudado! Bjs!

  3. Já tive o prazer de frequentar o Matarazzo quando ainda era do Banespa e ali fiz vários cursos (era funcionária). Ali também havia um restaurante para funcionários e várias vezes almocei ali e subia para o jardim pra curtir a vista depois do almoço. Era um privilégio!

  4. Ester, fico feliz que tenha gostado da visita! Quando voltar a SP procure uma de nossas centrais de informação turística que estaremos repletos de dicas para explorar a metrópole.

Oi! Tem alguma dúvida, sugestão, dica ou comentário, deixe aqui para nós e viajemos juntos!

%d blogueiros gostam disto: