Skip to main content

12 perguntas e respostas sobre viajar para a Argentina e o Chile de carro

Vai viajar por Argentina, Uruguai e Chile de carro? Parabéns pela escolha e boa viagem.

Os encantos do sul de nosso continente são incontáveis e você irá precisar de muito, muito tempo se quiser visitar tudo nestes três países. Acho que vai depender de uma vida inteira para finalizar este projeto. Sou fã incondicional das belezas da América do Sul. E olha que não estou falando das belas praias brasileiras. Conhecer um pouco do relevo da Argentina do Chile de carro me é gratificante tanto quanto viajar à Europa ou aos Estados Unidos.

Tive a grata satisfação de conhecer Argentina, Uruguai e Chile de carro. E conheci em estações distintas (a despeito de o inverno de 2012 ter me pregado uma bela peça), já sabendo de antemão as dificuldades que iria enfrentar nos meses em que viajei. Veja bem, conhecer as belezas da Patagônia em janeiro é diferente de fazê-lo em julho. Há cenários diferentes, mas não menos bonitos.

Não posso dizer que sou um viajante experiente para cruzar o Continente de Leste a Oeste, mas asseguro-lhe que li bastante sobre o assunto, principalmente porque sou apreciador de veículos de duas rodas (bike e moto). Viajar de moto para Ushuaia, Carretera Austral, Atacama e Machu Pichu exerce um fascínio inexplicável.

Não são poucas as dúvidas para quem viaja de carro pelo sul da América. Pensando nisso, o Mapa na Mão traz alguns questionamentos e suas respectivas respostas, para você que vai em busca dos encantos da Cordilheira dos Andes ou mesmo da Patagônia.

1. Preciso de seguro para viajar para a Argentina e o Chile de carro?

Sim, para você ir para a Argentina e Chile de carro, você precisará de seguro. Para quem vai à Argentina e ao Uruguai a tal chamada carta verde deverá ser adquirida. Trata-se de seguro de responsabilidade civil, cobrindo danos causados a pessoas ou objetos não transportados. É emitida por seguradoras no Brasil. Sei que há seguradora que já disponibiliza a carta verde a quem tem o veículo segurado na Cia. (a Liberty Seguros é um caso). Portanto, antes de pagar pela emissão da carta verde, questione seu corretor de seguros se a seguradora já disponibiliza gratuitamente a apólice.

Para quem vai ao Chile há também o soapex. É um seguro novo exigido para veículos não emplacados naquele país. Na página do consórcio das seguradoras que comercializam a apólice é possível adquirir (soapex.com). Na simulação feita pelo Mapa na Mão, dez dias de permanência no Chile com destino a Santiago (veículo de passeio) tem custo aproximado de 11 dólares. É necessário cartão de crédito internacional para adquirir a apólice.

Informe-se com seu corretor de seguros se a apólice é vendida pelas seguradoras que atuam no Brasil.

2. Adquiro o seguro na fronteira ou já no Brasil?

Há quem deixe para adquirir a carta verde na fronteira, ao argumento de que o custo de apólice seria mais em conta. Não obstante, prefira sair com isso resolvido de casa e ter em mãos a documentação necessária para ingressar em outro país. Além disso, não se esqueça, acaso você precise acionar o seguro contratado em sua cidade, poderá contar com o auxílio do corretor de sua confiança.

3. É preciso de veículo 4×4 para enfrentar trechos com neve?

Não. Veículos tracionados são desnecessários para ir ao Chile de carro, a menos que você procure estradas não pavimentadas. Aí pode ser que nem mesmo um veículo 4 x 4 possa vencer o lamaçal provocado pelo gelo derretido. Em regra, em estradas pavimentadas a neve exige o uso de correntes no eixo de tração e, se excessiva, provocará a interdição da via.

4. Preciso das correntes nos pneus?

Depende. No verão, dificilmente. No inverno, provavelmente. Não há regra absoluta, pois é o senhor tempo que definirá a obrigatoriedade de usar correntes (cadenas em espanhol). Fui a Santiago do Chile de carro no inverno de 2012 e não precisei de correntes para vencer a Cordilheira, partindo de Mendoza, na Argentina. A pouca neve facilitou a travessia, mas foi motivo de frustração geral dentro do carro (heheheeh, como assim, Cordilheira dos Andes no inverno com quase nenhuma neve?). Acaso a neve seja excessiva ou as condições da rodovia piorem muito, a Polícia fechará a via para o tráfego.

5. Como faço para conseguir as correntes?

Você pode comprar ou alugar. Estando em Santiago e indo em direção ao Valle Nevado, antes de subir a Cordilheira dos Andes havia uma loja do tipo “tem tudo” e havia cadenas à venda. Possivelmente nas grandes cidades não será difícil encontrar correntes à venda, nas lojas de acessórios de veículos.

Para alugar, recordo-me que encontrei antes de subir a Cordilheira em três pontos distintos:

  • Estando em Santiago, em direção ao Valle Nevado (bem próximo ao início da subida da Cordilheira);
  • Em Uspallata, na Argentina (em direção a Santiago), no posto de gasolina que está na Ruta 7, logo na saída da cidade, em direção a Santiago (vide Google street view).
  • Na Subida da Cordilheira, saindo de Santiago em direção à Mendoza,  após Los Andes, à beira da rodovia.

Se for alugar, não deixe de pedir explicações ao sujeito que está negociando com você. Faça um teste na hora para aprender a instalar as correntes.

Lembre-se que a Polícia vai exigir a instalação das correntes, dependendo das condições da rodovia. Se não tiver posse de um par de correntes, você não vai adiante.

6. É perigoso atravessar as Cordilheiras dos Andes?

Se não estiver nevando e não ocorrer a formação de gelo na pista, nada muito diferente de subir uma grande serra aqui no Brasil. Cuidado com a descida (freios em dia, ok?) e com os caminhões.

Se houver gelo na pista ou neve, aí a coisa muda de figura. Ande devagar e evite freadas ou movimentos bruscos. Tenha uma distância confortável dos veículos que vão à sua frente e, se as condições exigirem, instale as correntes no eixo de tração em seu veículo. Certifique-se que a instalação das correntes foi adequada, pois caso solte das rodas, o estrago em seu veículo será grande. Isso sem contar o risco de acidente. Leve luvas de látex para usá-las quando for instalar as correntes nas rodas e suas mãos não ficarão encardidas.

7. CNH especial ou PID?

A PID nunca nos foi exigida. Somente a CNH (carteira nacional de habilitação) nacional.

8. Há pedágios?

Sim, vários. No Chile há fartura de pedágios.

9. Policiais e propinas?

Na internet há vários relatos de policiais argentinos exigindo propinas. Bem, não deixe de viajar por esse maldito dissabor.

Então, viaje para o Chile de carro com segurança, tenha todos os documentos necessários (CNH, dois triângulos de advertência, carta verde, documento do veículo em seu nome) e cumpra as leis de trânsito. Reconheço que mesmo cumprindo todas as leis vocês poderá sofrer um achaque de um policial corrupto.

Jamais, jamais ofereça dinheiro a um policial. Tenha próximo de suas mãos o celular e grave a conversa. Se for extorquido e tiver oportunidade de denunciar, leve o caso à autoridade consular da argentina aqui no Brasil ou à autoridade consular brasileira na Argentina. Argumente, diga que não tem dinheiro, que está viajando apenas com cartão de crédito. Quando eu e minha família viajamos ao Chile, fomos parados em várias barreiras policiais (fomos parados mais de dez vezes). Minha esposa tinha à mão o celular filmando e gravando toda a conversa e minha filha (no banco de trás) uma máquina fotográfica.

10. Há infraestrutura no caminho a Mendoza ou a Santiago?

Você já deve ter ouvido falar que a população argentina é concentrada nas grandes cidades. O site infoescola.com.br esclarece que metade de los hermanos vive na Província de Buenos Aires ou na Capital Federal. Portanto, não espere que o interior seja apinhado de gente.

Mendoza também é uma grande cidade, mas para chegar até lá grandes distâncias são percorridas. As rodovias, em geral, são de boa qualidade, assim como as autoestradas. A infraestrutura (postos de combustível, restaurantes, oficinas), entretanto, é escassa.

O Chile é cortado de Norte a Sul pela Rodovia Panamericana (Ruta 5), que em boa parte é de uma excelente autopista. Por todo o país há a rede de postos Copec, que serve bons lanches. Em alguns pontos há refeição também. O Chile é melhor servido na infraestrutura rodoviária.

Por isso, evite ficar com menos de meio tanque de combustível (regra de ouro). Tenha dinheiro em espécie (peso argentino e pesos chilenos), pois nem todos os comércios aceitam cartão de crédito (principalmente Argentina). Esteja com a manutenção de seu carro absolutamente em dia e não hesite fazer um lanche na loja de conveniência do posto de gasolina, já que é bem provável que você terá uns bons quilômetros pela frente sem outra opção.

11. Dirigindo no Chile:

É mais tranquilo, as estradas são de melhor qualidade. Minha opinião particular (ok, por favor, não vamos criar conflitos por isso) é que o Chile é o país melhor organizado e estruturado da América Latina. Em todos os aspectos. Atente quanto aos limites de velocidade, pois é fácil encontrar policiais com radares móveis em vários pontos da Ruta 5.

12. Ir ao Chile no verão ou no inverno?

Para mim, as duas melhores épocas do ano. Ou você vai até lá sentir o frio, então, que seja no auge do inverno, ou fica bem longe dele, aí busque o verão para a sua viagem.

Claro, sempre há opção das estações intermediárias, mas também nelas o frio pode se fazer presente e com forte intensidade. Portanto, se não quiser enfrentar o frio da Patagônia ou da Cordilheira dos Andes, programe-se para viajar no verão.

Aliás, a beleza dos Andes é única nos meses de calor. Ver a Cordilheira despida de seu manto branco é fantástico. Já viajei ao Chile de carro em pleno janeiro e achei o melhor dos mundos. Tenho ótimas lembranças e pretendo viajar novamente em futuro não muito distante.

Mas fica uma advertência. O movimento migratório de argentinos em direção ao Oceano Pacífico pode congestionar a aduana que fica no Paso Los Libertadores (entre Mendoza e Santiago) durante o verão. Portanto, sugiro que saia cedo de Mendoza para não enfrentar uma fila quilométrica, como aconteceu comigo (levamos 9 horas para simplesmente atravessar a fronteira!).

Agora, também apreciar aquelas montanhas branquinhas de neve não tem preço. Portanto, vai do seu gosto pessoal. Na dúvida, faça uma viagem ou várias em cada estação e escolha a de sua preferência.

Onde se hospedar em Santiago e Mendoza:

Fizemos uma seleção de hotéis em Santiago (é só clicar aqui) e também em Mendoza (clique) ordenada pelas principais escolhas do site. Porém, logo no início, antes dos hotéis, você pode escolher outros filtros como preço mais baixo primeiro, distância do centro da cidade, estrelas, e outros. Na coluna laranja à esquerda, preencha os campos com a data da entrada e da saída, o número de quartos, de adultos e crianças e clique em pesquisar. Só depois escolha o filtro que mais agrada você. Escolha o seu hotel clicando nele e finalize a reserva. E use esta mesma pesquisa para qualquer outra cidade da sua viagem. Qualquer dúvida, é só mandar nos comentários lá embaixo. Boa estada!

Nao deixe de conferir motivos que damos a você para ir ao Chile de carro, o que vestir no frio intenso e também como viajar com mais conforto com os filhos clicando abaixo: 

6 motivos para ir de carro para o Chile

O que vestir e levar na mala para o frio intenso

Viagem com filhos mais confortável, descomplicada e divertida

Agora que você já sabe algumas questões para viajar para o Chile de carro, quer nos ajudar a manter o Mapa na Mão funcionando? É só usar os nossos links para planejar sua viagem! Você NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO e nós ganhamos uma pequena taxa, ajudando a manter nosso trabalho de pé! 🙂

Hotel ou apartamento: reserve o seu por este link no Booking.

Aluguel de carro: reserve no Rentalcars.

Seguro Viagem: faça o seu aqui e saiba tudo sobre seguro neste post. Por experiência própria, ótimos preços.

Câmbio (compra de moeda): esta é uma novidade do blog. Através deste link, você pode encontrar a melhor cotação para a compra de moeda estrangeira. Confira!

E não fique por fora das novidades e promoções do Mapa na Mão:

  • Entra lá no Facebook, curta nossa página e convide amigos para curtir também: Mapa na Mão
  • Inscreva-se em nosso canal do YouTube: Mapa na Mão
  • Siga nosso Instagram: @mapanamao
  • E inscreva-se no nosso blog ali ao lado onde está escrito: ASSINE NOSSO BLOG

Você pode salvar este texto no seu Pinterest para futuras consultas, pinando a foto abaixo:

Dilamar

26 comentários em “12 perguntas e respostas sobre viajar para a Argentina e o Chile de carro

  1. Post excelente! Muita gente acha que pode ir de carro para outro país como se estivesse indo a esquina, esquece as leias são diferentes, que em alguns lugares o seguro é obrigatório e outros detalhes, post muito explicativo!

  2. Excelente post adorei dicas suas vai me ajudar muito no planejamento da minha viagem pela região do Chile e Argentina. Obrigado por compartilhar.

  3. Eu gostaria de saber se meu rg profissional pode se considerar um documento para atravessar a argentina e o Chile? Posso rodar só com a carta verde no Chile? Vou ao Chile de carro final do mês

    1. Não aceitam, Anderson. Tem que ser o RG nacional. Quanto à carta verde, não também. Para o Chile vais ter que adquirir o Soapex.Boa viagem!!

    1. Boa noite Tainara! Primeiro tens que ver com a locadora se é possível sair para fora do Brasil com o carro, pois nem todas as empresas aceitam isto. Depois, tens que ter os dados do carro para fazer os seguros – Soapex para o Chile e Carta Verde para a Argentina. Boa viagem!!

Oi! Tem alguma dúvida, sugestão, dica ou comentário, deixe aqui para nós e viajemos juntos!

%d blogueiros gostam disto: