Skip to main content

O que fazer em Blumenau – roteiro de 1 dia

Chegou outubro e, com ele, a festa alemã mais conhecida das Américas! Blumenau está com todos os holofotes virados pra ela e é compreensível: a cidade se alegra para receber centenas de milhares de visitantes durante as três semanas de festa. Mas, gente, Blumenau não é só Oktober, não! Fui para lá em agosto no primeiro Blogando no Vale Europeu, um encontro super legal que reuniu vários blogueiros, e pude atestar isso (dá uma conferida aqui para conferir o nosso roteiro completo desse encontro). Vou te provar nesse post que Blumenau tem muito mais do que tu pensava! Vem comigo nesse post sobre o que fazer em Blumenau!

 

O que fazer em Blumenau – roteiro de 1 dia

Comece o passeio pela prefeitura de Blumenau. O prédio em estilo enxaimel data de 1982. Apesar de moderno, o estilo visa homenagear as casas em estilo colonial alemão. No local, antigamente, funcionava uma estação ferroviária, tanto que, em frente ao prédio, podes ver uma macuca (locomotiva). Dali, vá até a Rua XV de Novembro, passando pelo relógio de flores. Sabia que só há seis relógios de flores no Brasil? Um deles é esse de Blumenau, super bem cuidado, por sinal!
Prefeitura de Blumenau! Linda, né?

 

Relógio de flores de Blumenau

 

A Rua XV de Novembro é a mais icônica de Blumenau. Antigamente era chamada de Rua da Linguiça (hahahaha caramba, isso não podia ser mais blumenauense) por ser tortuosa. Em 1890 o nome foi mudado e em 1902 o trajeto foi modificado para que a rua não fosse mais tão sinuosa. Vale percorrer toda a rua, desde o Relógio de Flores até a Praça Hercílio Luz, onde está localizado o Museu da Cerveja. É na XV de Novembro que rolam os desfiles da Oktoberfest, em dias pré-determinados (e que são imperdíveis, diga-se de passagem), e onde estão localizados vários prédios famosos da cidade, sendo 48 deles considerados patrimônio histórico. Aliás, boa notícia: boa parte desses prédios está sinalizado com placas nas suas paredes externas, o que quer dizer que dá para ter várias informações sobre aquele prédio lendo essas placas.
Exemplo de placa na parede de um dos monumentos históricos. As placas são discretas, mas é só procurar, elas estão lá!

 

 

Até os bancos são em estilo enxaimel na XV de Novembro! Haha.

 

Prédio na XV

 

Um dos prédios mais lindos da XV!

 

Esse é mais em estilo austríaco

 

Quando estiver andando pela XV, não esqueça de olhar para… O chão! Isso porque 10 desses prédios históricos foram escolhidos para terem seu desenho rebatido na calçada. Explico: nas lajotas das calçadas opostas a esses prédios especiais (portanto, não no mesmo lado da calçada, do outro!), há um desenho do formato daquele prédio nas próprias lajotas, como se fosse uma sombra do prédio! Ali estão desenhados os formatos das portas, janelas e teto desses prédios, como se ele tivesse sido mesmo rebatido. É bem divertido procurar por esses desenhos!
Exemplo de desenho rebatido de um dos prédios históricos. Dá para ver o desenho do telhado e da janelinha?

 

Um dos prédios mais famosos da XV é o Teatro Carlos Gomes. Ele data da década de 40 e foi projetado por um arquiteto alemão, Erwin Bruner. O Carlos Gomes tem um dos quatro palcos giratórios do Brasil.
Teatro Carlos Gomes

 

Outro famoso prédio é o Castelinho da Moelmann, hoje Castelinho da Havan. Ele foi construído em 1978, sob encomenda de um empresário blumenauense que queria erguer, na avenida mais importante da cidade, um prédio que homenageasse a descendência de boa parte dos habitantes. É inspirado na prefeitura mais antiga da Alemanha, da cidade de Michelstadt, de 1484. Até 1999, foi sede das Lojas Moelmann. Desde 2007, é uma loja da Havan, aquela loja de departamentos famosa (que, para quem não sabe, é originalmente de Brusque, que fica pertinho de Blumenau! A Havan não é da China / EUA / do Lula / da Dilma não, gente hahahaha). Outro prédio famoso é o da Catedral de Blumenau, com sua enorme torre de sinos, que pode ser vista de vários pontos da cidade.
Castelinho da Moelmann/Havan
Torre dos sinos da Catedral
Continue o passeio até a Praça Hercílio Luz, onde está localizado o Museu da Cerveja, um museu que conta, através de utensílios antigos, o processo histórico de fabricação desse líquido. O Museu da Cerveja fica aberto de segunda a sexta, das 9 às 17h, e das 10 às 16h nos finais de semana e feriados. A visita é gratuita e o André, do Blog Meu Destino, fez um post bem completo sobre o Museu nesse link.
Praça Hercílio Luz

 

Museu da Família Colonial fica também no do final da XV e é um conjunto de três casas históricas, sendo que uma se trata da casa do cônsul da Alemanha em Blumenau, Victor Gaertner, de 1864, e outra trata-se da primeira casa em enxaimel de Blumenau, datando de 1858. É um museu que mostra como era a casa de uma família de classe média blumenauense no início da história da cidade, com mobílias e cômodos preservados. Vale para ver como era uma casa enxaimel da época! Outro museu que fica na mesma região é o Museu de Hábitos e Costumes, que não tive a oportunidade de visitar, mas que apresenta vestimentas e outros utensílios associados às primeiras famílias blumenauenses. Ambos os museus ficam abertos de terça a domingo, das 10 às 16h, e o ingresso custa 5 reais/cada. Ah, vale também uma caminhada pela Rua das Palmeiras (que na verdade se chama Alameda Duque de Caxias), onde está localizado o Museu da Família Colonial, uma bela rua ornada com palmeiras reais.
Museu da Família Colonial
Museu da Família Colonial

 

Museu da Família Colonial

 

Museu da Família Colonial

 

Aos fundos do Museu da Família Colonial está o Horto Florestal de Blumenau, um parque onde ainda há algumas árvores plantadas pelo fundador de Blumenau, dr. Blumenau, além do cemitério de gatos. Sim, Blumenau tem um cemitério de gatos! Explico: Edith Gaertner foi filha do tal cônsul da Alemanha no Brasil, Victor Gaertner. Edith foi estudar no exterior e, quando voltou, era muito julgada pelos locais por seus costumes e hábitos “diferentes do comum”, tendo, então, como companhia apenas… gatos! Ela tinha dezenas deles e, toda vez que algum morria, ela fazia um enterro nesse local do Horto. Simbolicamente, alguns têm túmulo com nome e tudo, formando o cemitério de gatos.
Sim, Blumenau também tem um Mannekin Pis hahaha esse fica no Horto Florestal
Caso tu seja do time fã de vistas panorâmicas da cidade, te recomendo o Museu da Água. O Museu da Água fica na estação de tratamento da SAMAE, a companhia de água da cidade, e é um museu que conta a história da captação da água na cidade de Blumenau, além de ter alguns equipamentos relacionados a essa atividade. Mas a cereja do bolo está no último andar do prédio, onde há um terraço com uma bela vista da cidade. O Museu da Água é aberto todos os dias, das 9 às 18h, e a entrada é gratuita.
Vista panorâmica a partir do Museu da Água
Saindo de lá, podes dar uma passada no Museu Hering, que é aberto de terça a sexta, das 9 às 18h, e aos finais de semana e feriados, das 10 às 16h, com entrada gratuita. Sim, sim, eu sei que estás pensando “me dê um motivo para querer visitar o museu de uma empresa têxtil”. Bom, o Museu Hering merece um post exclusivo para ele (e logo logo sai), mas por ora, te dou vários motivos: a Hering é uma empresa com uma história muito mais incrível do que eu imaginava, sendo que sua existência tem tudo a ver com as enchentes que Blumenau infelizmente sofre ciclicamente (e isso é o mais bonito de Blumenau… Parece que a cidade sempre consegue levantar e se reerguer depois de tantas tragédias! Sabia, por exemplo, que Oktoberfest foi criada para alegrar a população após uma enchente?); Hermann Hering, o fundador, deu início à fábrica devido à sua máquina de tecer ter sido uma das poucas coisas que restaram de uma das enchentes; o museu fica em um bairro lindíssimo, o Bom Retiro, e ao lado de uma grande loja da Hering; e por lá há um jardim suspenso projetado por ninguém mais, ninguém menos que Burle Marx (sim, o paisagista famoso de Brasília). Satisfeito?
Gente, tem uma vaquinha enxaimel em frente ao Museu Hering. Já valeria visitar só por esse motivo, hahaha!

 

O lindíssimo jardim suspenso de Burle Marx no Museu Hering
Depois, já fique pelo próprio bairro de Bom Retiro, onde está localizado o Museu. O Bom Retiro tem uma história super legal: um dos seus moradores mais ilustres foi Hermann Hering. Sim, o cara que criou a famosa malharia Hering! Ele tinha um armazém na XV de Novembro, mas, com a enchente de, decidiu ir para longe do rio que destruiu quase que por completo seu comércio. O bairro escolhido por ele foi o Bom Retiro! Hoje, o Bom Retiro é um bairro delicinha demais de caminhar. Lá, há vários castelinhos que já foram ou ainda são pertencentes a famílias influentes da cidade, como os Hering ou os criadores da camisaria Dudalina (já deu para perceber que Blumenau domina o mercado têxtil, né? Hehe). Vale a pena estacionar o carro na Rua Hermann Hering e caminhar para apreciar os castelinhos.
Do Bom Retiro, como já deve estar entardecendo, podes voltar para a região mais próxima do Itajaí-Açú, mais especificamente para a Beira Rio. infelizmente, a Beira Rio não é tão bem explorada quanto poderia. Ainda assim, com certeza vale o passeio! A XV acaba sendo mais “glamourosa”, mas a Beira Rio tem a incontestável vista para o Itajaí-Açú. Já que estás ao lado do rio, vale pegar o carro e dar uma passada na ponte de ferro (Ponte Aldo Pereira de Andrade).
Podes terminar o dia na Vila Germânica! A Vila Germânica também merece um post só para ela (e terá!), mas posso te garantir que vale a visita o ano inteiro, mesmo fora da época da Oktober. O local é todo com comércios e restaurantes em estilo bem alemão, além de receber vários eventos durante o ano. Que tal jantar na Vila Germânica?

Bônus:

Vila Itoupava: a Vila Itoupava compreende um dos bairros mais típicos e preservados de Blumenau. Infelizmente não tivemos tempo de desbravar esse bairro, mas fiquei com bastante vontade. Ele fica mais afastado do centro, então tem que se ir de carro ou ônibus até lá. Nesse site aqui, há boas sugestões do que visitar especificamente na Vila Itoupava. Nesse outro link, há uma dica de roteiro arquitetônico pela Vila Itoupava.

Bônus II:

Já que estás pelo Vale Europeu Catarinense, não deixes de conhecer Pomerode e Jaraguá do Sul. Ficam próximas e são maravilhosas estas duas cidades. Saiba tudo sobre Pomerode, a cidade mais alemã do Brasil lendo aqui, e sobre Jaraguá do Sul aqui.

Onde se hospedar em Blumenau

Recomendo fortemente a hospedagem no Hotel Himmelblau. A localização é ótima, o café da manhã muito bom e os quartos são confortáveis. Fiz aqui um review bem completo sobre o hotel, vale a pena conferir. Mas, se estás procurando por outro local, aqui há uma seleção de hotéis na cidade de Blumenau.

Agora que já tens boas ideias de o que fazer em Blumenau, quer nos ajudar a manter o Mapa na Mão funcionando? É só usar os nossos links para planejar sua viagem! Você NÃO PAGA NADA A MAIS POR ISSO e nós ganhamos uma pequena taxa, ajudando a manter nosso trabalho de pé! 🙂

Hotel ou apartamento: reserve o seu por este link no Booking.

Aluguel de carro: reserve no Rentalcars.

Seguro Viagem: faça o seu aqui e saiba tudo sobre seguro neste postPreços ótimos – experiência própria.

Câmbio (compra de moeda): esta é uma novidade do blog. Através deste link, você pode encontrar a melhor cotação para a compra de moeda estrangeira. Confira!

E não fique por fora das novidades e promoções do Mapa na Mão:

  • Entra lá no Facebook, curta nossa página e convide amigos para curtir também: Mapa na Mão
  • Inscreva-se em nosso canal do YouTube: Mapa na Mão
  • Siga nosso Instagram: @mapanamao
  • E inscreva-se no nosso blog ali ao lado onde está escrito: ASSINE NOSSO BLOG

Espero que tenham curtido saber mais sobre o que fazer em Blumenau!

 

 

 

 

 

 

Você pode salvar este texto no seu Pinterest para futuras consultas, pinando a foto abaixo:

o que fazer em blumenau

24 thoughts to “O que fazer em Blumenau – roteiro de 1 dia”

  1. mais uma das cidades do Sul pintando por aqui, dá pra fazer um roteiro bem bacana com todos os lugares do Sul do Brasil, passei correndo por Blumenau quando fui de ônibus pra Argentina, mas quero voltar e visitar algumas outras cidade do Sul, incluindo é claro esta!

  2. Blumenau é
    Uma das cidades brasileiras que ainda não conheço massss como amo a Alemanha estou certa que amarei a cidade

    Bjs
    Dani Bispo
    abolonhesa.com

  3. Que delícia de texto! eu quero muito conhecer Blumenau em breve. Tem uma colaboradora aqui do Viajante Colorido que é de lá e tem um hostel por lá, vale a pena conhecer viu (o nome é Brazukas Hostel Bar. Abração pra vocês!

  4. blumenau eh uma das cidades que estavam na rota dos tecidos com meu pai, nos sempre iamos pro vale comprar tecido e etc mas nunca parava nas cidades. conheci blumenau na epoca da oktoberfest ha alguns anos e me apaixonei pela cidade! imagina, tem ate um cemiterio de gatos!

    1. Ah Angela, meu pai também comprava tecidos em Blumenau e Brusque, e ainda compra roupas em Brusque, hehehehe. Por isso eu também ia desde pequena para lá. Beijos, Michela.

  5. Adorei o post.. Foi uma pena eu ter que acabar cancelando minha ida ao Blogando no Vale Europeu. Blumenau e uma cidade muito legal. Adorei rever um pouco mais da cidade que fez parte de minha infancia atraves do seus olhos.

  6. Eu estive em Blumenau há tanto, tanto tempo que parece até que foi em outra vida. 🤔🤔 Eu era uma criança!!! 😆😆 Já estava com vontade de voltar e este texto me deu muitos motivos para isso. A cidade reúne muito do que eu gosto como Museu e prédios antigos e históricos. 😍😍

Oi! Tem alguma dúvida, sugestão, dica ou comentário, deixe aqui para nós e viajemos juntos!

%d blogueiros gostam disto: